CalendarioMaya.NET disponibiliza dissertação sobre calendário maya em primeira mão

  • Imprimir

O CalendarioMaya.NET tem o prazer de disponibilizar, em primeira mão, a dissertação de mestrado de Carolina de Assis sobre calendário maya. Trata-se de conteúdo de qualidade, em português e inédito na internet(!).

Intitulada Calendários e o tempo maia: uma análise baseada em fatores astronômicos e socioculturais, esta dissertação foi defendida em 2016 no curso de mestrado do Programa de Pós-Graduação em História das Ciẽncias e das Técnicas e Epistemologia (HCTE), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A dissertação foi orientada pelo Prof. Dr. Rundsthen Vasques de Nader, e contou ainda com o Prof. Dr. Mércio Pereira Gomes e o Prof. Dr. Marcio D'Olne Campos na sua banca de defesa, quando o texto foi avaliado e aprovado, em 6 de setembro de 2016.

Vale lembrar, ainda, que Carolina de Assis irá ministrar uma Palestra sobre calendário maya no Rio de Janeiro (24/04/2019), na próxima quarta-feira portanto, que será baseada nesta dissertação.

Desejamos uma boa leitura a tod@s!

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR A DISSERTAÇÃO NA ÍNTEGRA (PDF, 13.8 MB).

Leia abaixo o resumo da dissertação:

De todos os conceitos abstratos que permeiam a existência humana, o tempo talvez seja aquele que tenha sido mais diversamente estudado. Referenciado a partir do movimento dos astros, a associação da sua medição às atividades em sociedade é unânime em todas as culturas. Sua percepção, porém, é única para cada uma delas, moldada pelos seus diversos fatores sociais, tendo sido incorporada aos registradores de tempo concebidos nas culturas. Dentre as maiores civilizações da história da humanidade, os Maias, habitantes de um vasto território denominado Mesoamérica, foram aqueles que mais empregaram a sua concepção de tempo em todos os setores da sociedade, criando uma relação de dependência para com este conceito dificilmente encontrado em outra sociedade. Curiosamente, a literatura referente ao estudo dos calendários maia, apesar de farta, trata, em geral, da origem e descrição do funcionamento desses calendários, sem contextualizá-los com múltiplos aspectos culturais. Desta forma, apesar da estrutura dos calendários maia ser bem conhecida a séculos, questões intrínsecas ao seu funcionamento, como a origem do seu intervalo anual e a ausência de aferição aos ciclos naturais, por exemplo, permanecem temas de intenso debate na literatura. Nesta dissertação, investiga-se como fatores culturais como a noção de historicidade, a religião e o meio de subsistência atuaram em conjunto à Astronomia na construção da concepção de tempo maia refletida por seus registradores. Mostrou-se que uma análise colaborativa destes fatores permite a construção de um cenário que não apenas justifica as especificidades dos calendários maia, mas permite o estabelecimento de uma nova hipótese para a origem do mais antigo, e menos conhecido, dos seus três calendários, o Tzolkin.

Palavras-chave: Tempo; Arqueoastronomia; Calendários mesoamericanos; Civilização Maia.